Samuel de Castro – Produtor de locações em comerciais

“Bom, filmar em Santos é incrível, sua variedade de cenário e possibilidades faz com que a cidade seja única em diversos aspectos. Por ser compacta, Santos é perfeita pra uma logística de deslocamento de filmagem. Aqui já transformamos o centro em Europa, Ásia, Nordeste, em fim do mundo, em cenário de guerra dos anos 40, chuva de rosas. O Porto com seu maquinário já é locação ideal pra qualquer tipo de filme com temáticas variadas. Suas praias e parques, seu jardim e cortiços já fizeram parte da histórias de diversas campanhas, novelas, clipes e longas que correram mundo a fora arrancando elogios, prêmios e aplausos. Santos é um cenário a Céu aberto, e ter uma Film Commission fortalecida, é afirmar o compromisso em garantir a tranquilidade das produtoras que procura a cidade para realizar seus projetos. Uma Film Commission traz confiança e agilidade fazendo com que Santos, continue sendo parte de um dos seletos grupos de cidades brasileiras que acredita na sua prospecção através de produções cinematográficas.”

Tata Amaral – Cineasta e produtora do filme “De Menor”

“Santos é uma cidade linda e muito fotogênica. Seus ambientes distintos nos proporcionam diversas possibilidades: o centro antigo, a cidade moderna, a praia, os canais, dentre outros. São inúmeras locações! Filmar “De Menor” em Santos foi um prazer, e contar com a ajuda do pessoal da Film Commission, facilitou muito nossa produção.”

Fernando Coimbra – Cineasta

“Eu já filmei algumas vezes em Santos e eu gosto de Santos porque tem muita possibilidade

ali para você filmar…Eu filmei por exemplo na zona portuária, que é uma zona muito rica…filmei na praia de Santos, onde também por conta do porto você tem esse visual de ter sempre navios, esse trânsito ali atrás é uma coisa muito específica, além da praia ser muito bonita, você tem essa riqueza visual. Eu sei que muita gente vai filmar em Santos por conta do centro histórico também, porque é um lugar que mantém a arquitetura antiga, mantém o bonde, mantém uma coisa que em São Paulo não existe mais, então você quer fazer um filme de época, você quer fazer um filme tanto do começo do século, como do passado, dos anos 60, 70, você consegue ir para Santos e ter esse material como se fosse São Paulo, e aqui isso tudo já foi demolido. Eles tem uma estrutura como uma cidade grande, de restaurante, hotéis, enfim, tudo estrutura que você precisa para levar uma equipe para lá. E como se você tivesse centralizado num pequeno espaço uma quantidade enorme de locações, com uma estrutura ideal para você poder ir filmar, estando perto de um grande centro com São Paulo.”

Debora Ivanov – Produtora e Diretora Executiva do SIAESP – Sindicato da Indústria do Audiovisual do Estado de São Paulo

Santos é uma cidade cinematográfica. Praias, porto, construções históricas, serra, cidade moderna. Tem tudo ali. E o mais importante, tem uma Film Commission que faz a diferença. Considerada a melhor Film Commission do país, atrai produtores de publicidade, de cinema e televisão que buscam em suas paisagens e profissionalismo um cenário ideal para as filmagens. A cidade acolhe verdadeiramente as produções, agilizando e orientando executivos do setor, envolvendo profissionais locais, incrementando a economia da região.
Parabéns para Santos
!”

Carlos Cortez – Cineasta

“Meu primeiro curta foi metade filmado em São Paulo, metade filmado em Santos, tudo por causa das locações de época que não encontrava em São Paulo com a mesma fartura que encontrei em Santos. Depois fiz um documentário sobre o historiador negro e sambista Geraldo Filme que tinha Plínio Marcos, um grande dramaturgo brasileiro e santista, como personagem determinante e condutor da trama. Dessa experiência nasceu o longa de ficção Querô, um filme totalmente feito em Santos contando com locações como centro urbano, porto, mangue, catraias, presídios, boates. Tudo isso encontrei em Santos e ainda uma locações bem pertinho da outra. Depois construí muitas amizades na cidade que duram quase 10 anos. Todos em São Paulo, minha cidade natal, acham que sou de Santos. Acho que sou um pouquinho de lá.”